sábado, 15 de novembro de 2008

RETALHOS DE UM AMOR.


Eu não sabia quanto tempo eu tinha, apenas sentia que quanto mais me aproximava de sua sombra, meu tempo diminuia.Correr sobre o asfalto era fácil, mas a realidade era completamente diferente.Meus pés arranhavam a areia dessa vez.Na primeira e na segunda queda, levantei-me repleta de disposição, logo na terceira caí com as pernas nuas e cansadas. Minha vida estava sobre meus pés e eles ardiam tanto quanto uma ferida recém banhada com alcool.Resisiti a dor e tentei pensar no meu alvo, eu estava tão perto que com apenas um chamado o faria me ouvir.Não o alarmaria, ele poderia correr depressa e tornar tudo mais difícil.Tentei me apoiar na areia fina e branca-minhas mãos não haviam perdido a força e minha mente maquinava o mal tão bem quanto amava.Levantei-me cambaleando, arranquei o punhal e, silenciosamente, o apunhalei por trás.Pude sentir seu cheiro amadeirado, tão agradável e revelador, misturado com o sangue que agora escorria sobre minhas mãos brancas e frias.O crepúsculo da minha própria vida, o ponto máximo da minha decadência, me fez decidir o fim dela.Retirei de suas costas o punhal, o encarei com meus olhos tão frios e atirei-me no mar.Era a única forma de tornar eterno o nosso amor, finalizando-o.

Eloá Menegocos

5 comentários:

Míryan Paranhos disse...

Elda apareceu nesse texto Lô?
eoiaoieioaoi'
tá fodáástico! adorei (y'
Acho que você está lendo crepúsculo demais hein.

Continua com o blog Looups, e começa a divulgar ele na net pra ficar famoso.
Beijão, amo você mané. *;

Introspecção Amadora disse...

eu já to em lua nova idiota
¬¬
uahuhahu

Marcio Santos disse...

Oi!
adorei seu texto!
adiciona meu blog aos seus favoritos ai!
vamos nos divulgar.
Obrigado.

www.paginadacomedia.blogspot.com

Caioso© disse...

Legal seus textos!

Pieguices... disse...

Vc ta virando o que sempre eu quis ser!

Parabéns !!!